05/07/2011

A lenda de Rômulo e Remo.

     As sacerdotisas de vesta ou vestais eram encarregadas de zelar pela conservação do fogo sagrado que sem cessar ardia diante do altar da deusa. Escolhidas entre as melhores famílias do Pontífice Maximo, tinham de se conservarem solteiras, durante trinta anos de serviço no templo. Depois podiam casar-se. Se infligissem os votos seriam enterradas vivas.

     Os romanos são descendentes de Enéias, herói. Troiano que se veio estabelecer no Lácio, após a queda de Troia. No Lácio, Enéias funda a cidade de Lavinium e, seu filho, Ascânio, lança as bases de uma nova cidade chamada Alba Longa, onde os seus descendentes reinarão por trezentos anos. Um desses descendentes, Proca, ao morrer, deixa o trono para o filho Numitor. O irmão deste, Amúlio, porém, ambicioso que é, destrona a Numitor, o qual tem um filho e uma filha de nome Rea Silvia. Amúlio, com o fim de evitar que o irmão tivesse descendente, mata o filho dele e faz da filha, vestal, isto é, sacerdotisa, para que não pudesse casar-se, nem ter filhos. Apesar das proibições, aceitou ser mulher do deus Marte e teve dele dois gêmeos: Rômulo e Remo.


     Amúlio não perdoou à sobrinha por haver transgredido a lei das vestais: fê-la sepultar viva e para desembaraçar dos gêmeos. Ordenou afogá-los. Porém o escravo que devia executar a condenação apiedou-se deles, abandonando-os às margens do Tibre.

     Os romanos – são provenientes da fusão de três elementos: latino, sabino e etrusco. Favorecidos pela ótima situação em que se localizam e animados pelo espírito político e patriótico e ainda devido à pressão dos plebeus, sedentos de terras cultiváveis, a República Romana inicia sua trajetória expansionista. Conquistou principalmente o Lácio, depois a península Itálica, expandindo-se a dominação nos séculos seguintes, até o domínio de quase todo o mundo conhecido da época. 

     Na realidade a república romana concentrou o poder em mãos de uma aristocracia baseada no parentesco e na propriedade da terra. Os patrícios, chefes das antigas famílias latifundiárias, controlavam o Senado e o processo de escolha dos dois cônsules que chefiavam o governo. Durante séculos, a história política da cidade vai refletir o confronto entre classe privilegiada e os cidadãos comuns – os plebeus – interessados em ampliar sua participação no poder e na crescente riqueza da sociedade.